Capela de São Sebastião, Atouguia, Ourém

Ourem

Recebemos do International History Students & Historians Group (IHSHG) um alerta para o estado de total negligência em que se encontra a Capela de São Sebastião, localizada na freguesia de Atouguia, em Ourém.

Print

Roubo de Azulejos no Mosteiro de São Dinis e São Bernardo

Raquel Henriques da Silva, presidente do Conselho Consultivo do ICOMOS Portugal, denuncia ao Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa Norte o furto de quase 170 azulejos do Mosteiro de São Dinis e São Bernardo (Monumento Nacional). Solicita ao Ministério Público investigação sobre o crime cometido. Mais informação aqui.

 

Print

Divulgação: Museu Judaico - decisão do tribunal

O Tribunal Central Administrativo Sul deu razão ao recurso da Associação do Património e da População de Alfama (APPA) e determinou a não demolição dos edifícios previstos para a construção do Museu Judaico de Lisboa. A APPA teve o apoio do FÓRUM DO PATRIMÓNIO e do ICOMOS Portugal.

Consulte, aqui, o comunicado da Associação do Património e da População de Alfama.

 

Print

Nota do ICOMOS sobre gasoduto Celorico-Vale de Frades

O projecto do Gasoduto Celorico-Vale de Frades interligação transfronteiriça da Rede Nacional de Transporte de gás natural, promovido pela REN – Gasodutos, SA, atravessa o Alto Douro Vinhateiro, bem inscrito na lista do Património Mundial da UNESCO, na sua zona limite, junto ao Monte Meão, bem como uma área considerável da Zona Especial de Protecção nos concelhos de Mêda, Vila Nova de Foz Côa, Vila Flor, Torre de Moncorvo e Alfândega da Fé. Aplicando-se as mesmas regras de gestão do bem classificado à referida ZEP, o ICOMOS PT considera que este projecto constitui uma agressão ao bem, devendo ser procurado um traçado alternativo fora da Região Demarcada do Douro. Note-se ainda que o traçado que está em avaliação atravessa o Vale da Vilariça, com singular importância ao nível da paisagem agrícola e do património cultural, bem como outras zonas naturais protegidas.

Por outro lado, o Estado Português está obrigado a comunicar à UNESCO qualquer intenção de alteração dentro da área classificada, tratando-se, para além disso, de um projecto a financiar pela UE, visto que representa uma modificação significativa dos valores paisagísticos e culturais em presença, incompatíveis com a construção deste equipamento.

Lisboa, 14 de Julho de 2017

Faça download do documento original e a recente notícia no jornal Público.

Print